Destaques :

Tribunal de SC multa internauta em R$ 5,7 mil por ofensas a nordestinos

Ex-presidente Obama revela vontade de conhecer a Bahia

Tradicional visita ao Monte da Santa Cruz movimenta município de Mairi na Semana Santa

Funcionária de creche é chamada de ‘vadia’ em faixa exposta em praça

Juazeiro: Mais uma vez é registrado assalto a carro-forte entre Carnaiba e Jeremal; pista é bloqueada e carreta incendiada

Ônibus da São Luiz pega fogo na zona rural de Curaçá (BA)

Catadores são responsáveis por 90% do lixo reciclado no Brasil

Morador de Laje morre vítima de acidente em Jaguaquara

Chapada: Motorista de ônibus escolar é morto a tiros no município de Utinga

Dançarino da FitDance morre vítima de leptospirose em Salvador

Região de Irecê: Acidente deixa vítima fatal e outro ferido em Cafarnaum

Nem tudo está perdido: no sertão do Ceará, criança ensina vendedor de picolés a ler e escrever

Dançarina da banda La Furia sofre assalto e leva facada no pulmão em Salvador

“Zé Batata”, suspeito é preso por usar uma batata doce como arma

Após desabafo nas redes sociais, Whindersson cancela shows até Agosto

Fundador do Grupo Gay de Lauro de Freitas, servidor público é morto a tiros

“Zé Batata”, suspeito é preso por usar uma batata doce como arma

Museu de História Natural de NY recusa sediar jantar de gala em homenagem a Bolsonaro

Jovem de 21 anos é encontrado morto com várias escoriações no corpo em Paulo Afonso

15 milhões de brasileiros sobrevivem com renda de até R$ 140 por mês

sexta, 19 de abril de 2019

Regional

Dívida pública federal tem menor custo desde 2010

Dívida pública federal tem menor custo desde 2010

Foto: Reprodução / Folha Rondoniense

Dados divulgados pelo Ministério da Fazenda nesta segunda-feira (26) apontam que o custo médio da dívida pública federal atingiu o menor patamar desde abril de 2010. O custo médio acumulado nos últimos 12 meses, número que inclui o endividamento interno e externo do país, passou de 10,06% ao ano, em janeiro, para 10,01% ao ano, em fevereiro.  De acordo com a Agência Brasil, o custo médio mede a rapidez com a qual a dívida pública federal vai crescer, caso seja o cenário econômico atual se mantenha. “Quando o custo é menor, a dívida cresce, mas não tão rapidamente quanto em um cenário com juros maiores. O custo médio mais baixo significa que a dívida vai crescer, mas não tão aceleradamente”, explicou o coordenador-geral de Planejamento Estratégico da Dívida Pública, Luiz Fernando Alves. Em fevereiro, a dívida chegou a a R$ 3,582 trilhões, um aumento de 1,53% em relação a janeiro. A redução, segundo Alves, é referente à queda da taxa básica de juros (Selic), instrumento usado pelo Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). No início de 2018, a Selic estava em 7% ao ano. Em janeiro, foi reduzida a 6,75% e recentemente, foi a 6,5% ao ano. Além da Selic, a inflação também tem impacto no custo da dívida. Apesar da redução, a projeção ainda é de crescimento da dívida. Para este ano, a meta é que as contas do governo fechem no negativo, com déficit primário de R$ 159 bilhões.

O que achou desta notícia ?